Vinhos de Bordéus e Cognac

  • Destino: ,
  • Duração: 4 dias
  • De: 19/10/2018
  • a: 22/10/2018
  • Preço: 2,430€

tryart

Com Maria João de Almeida

Bordéus é a região dos grandes Châteaux, famosos por produzir vinhos de grande elegância, frescura e longevidade. Os melhores são realmente excecionais. Acredita-se que as primeiras variedades de vinhas de Bordéus tenham sido levadas para a região cerca de dois mil atrás por soldados romanos. Desde então, inúmeras características de clima e cultivo contribuíram para fazer de Bordéus a mais famosa região produtora de vinhos do mundo. O clima é equilibrado, livre de geadas ou verões intensos, e as diferenças marcantes entre suas inúmeras microrregiões variam no nível de mineralidade do solo, garantindo terroirs bastante distintos e peculiares.

Localizada no sudoeste da França, perto da costa do Oceano Atlântico, a região apresenta a mais extensa área de Denominação de Origem do mundo. As castas mais cultivas são as tintas Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon e, nas uvas brancas, a Sauvignon Blanc, Sémillon e Muscadelle. Os seus vinhos são elegantes, frescos e intensos de sabor. A palavra Châteaux significa castelos em francês, mas não é usada necessariamente para designar a propriedade onde a bebida é produzida, e sim uma variedade de vinho. Alguns vinhos que carregam a denominação Châteaux encontram-se entre os exemplares mais caros do mundo.

Com Telmo Alves
Sócio-Gerente da Empresa OENO TECH – Produtos para Enologia Lda
Agente exclusivo para Portugal da Tanoaria Seguin Moreau (França)
Foi Técnico Comercial na empresa CORGOM – Indústria Transformadora de Cortiça SA
Formado em Engenharia Informática pelo ISEP (Instituto Superior de Engenharia do Porto)

Preço por Pessoa em Quarto Duplo

2.430€

Suplemento Quarto Individual

390€

Programa inclui:

  • Acompanhamento da jornalista e crítica de vinhos Maria João de Almeida e de Telmo Alves durante toda a viagem;
  • Passagem aérea em classe económica para percurso Lisboa / Bordéus /Lisboa, em voos regulares Tap Air Portugal com direito a 1 peça de bagagem até 23 kg;
  • 3 noites de alojamento nos hoteis mencionados ou similares, com pequeno almoço incluido;
  • Refeições de acordo com o programa com bebidas (pensão-completa, com exceção do ultimo almoço);
  • Todos os transportes como indicado no programa;
  • Todas as visitas e entradas mencionadas no itinerário;
  • Todos os impostos aplicáveis;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no montante de 128,82 € (à data de 13.04.2018) – a reconfirmar e atualizar na altura da emissão da documentação);
  • Radioguias;
  • Acompanhamento permanente por responsável TRYWINE;
  • Seguro Multiviagens.
  • Programa não inclui:

    • Gratificações;
    • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
    • Despesas de carácter particular designados como extras.
1º Dia –Lisboa / Bordéus / Cognac
11h10 – Encontro dos participantes no Terminal 1 do Aeroporto de Lisboa.
13h10 – Partida em voo Tap Air Portugal para Bordéus
15h55 – Chegada a Bordéus. Nesta cidade o grupo TRYWINE visita a Cité du Vin.
O projeto de construção da Cité du Vin, como centro cultural e turístico de vinhos, nasceu em 2009. O objetivo da fundação é o o de garantir, através da construção de um parque temático, a valorização do mundo do vinho e a sua transmissão, e salvaguarda como património cultural e universal. A fundação conta com dois embaixadores: o ator Pierre Arditi e o crítico de vinhos Robert Parker. Transporte para Cognac. Check in no Hotel François I Cognac Centre 4****. Jantar em restaurante local. Alojamento.
2º Dia – Cognac
De manhã, visita à adega Cognac Rémy Martin. O nome Rémy Martin vem do nome do fundador da empresa, nascido em 1695 perto de Rouillac. Em 1724 este viticultor criou uma casa comercial dedicada à venda de conhaque. Depois da sua morte em 1773, o seu neto, também chamado Rémy, prosseguiu o negócio. Em 1841, Paul-Emile-Rémy Martin assumiu o controlo do negócio e supervisionou um grande crescimento. Acrescentou um logotipo às garrafas e caixas, na forma de um centauro, uma criatura mitológica cujo signo sagital coincidia com o de Martin. Durante o período entre guerras, André Renaud, advogado e comerciante formado, que era sócio da E. Rémy Martin & Co. desde 1910, assumiu a liderança e em 1927 lançou o primeiro VSOP Fine Champagne. Os conhaques de Rémy Martin foram então vendidos em todo o mundo. Após a Segunda Guerra Mundial, Rémy Martin continuou sua ascensão com André Hériard-Dubreuil, genro de André Renaud. Com a morte de André Renaud, em 1965, André Hériard-Dubreuil tornou-se presidente. Os seus filhos gradualmente juntaram-se a ele. A sua filha Dominique Hériard-Dubreuil, que se tornou gerente geral em 1988 e presidente dois anos depois. Em 1991, a Casa de Rémy Martin incorporou Rémy Cointreau ao grupo familiar. Almoço em restaurante local. Visita à Tanoaria Seguin Moreau. A Seguin (1870) e a Moreau (1838) juntaram-se em 1970 para produzir barricas e toneis de alta qualidade. Aquela que é hoje uma das maiores e mais reconhecidas tanoarias a nível mundial encontra-se sediada em Cognac, e ali procura combinar a sabedoria artesanal com a mais avançada pesquisa científica e desenvolvimento. Os tanoeiros continuam a realizar as mesmas tarefas tradicionais à mão, embora auxiliados pela mecanização de certas tarefas, trabalhando em parceria com universidades a nível mundial na área da investigação, mantendo um laboratório de pesquisa em tempo integral. Regresso ao hotel. Jantar em restaurante local. Alojamento.
3º Dia – Cognac / Bordéus / Martillac
De manhã partida para visitar o Château Les Carmes Haut Brion, propriedade situada perto de Bordéus. Esta propriedade remonta ao século XVI. Em 1584, Jean de Pontac, o senhor de Haut-Brion, doou um grande moinho com prados, flores e trepadeiras, à Ordem Carmelita. Este paraíso de paz e de abundantes jardins eram alimentados através de um suprimento ilimitado de água pura e cristalina, graças a uma nascente que desaguava numa fonte chamada d’Eubrion. Os Carmelitas continuaram a ser os únicos proprietários da propriedade por mais de dois séculos, razão pelo qual se passou a chamar Carmes Haut-Brion. Em 2010 foi comprada por Patrice Pichet, fundador do grupo imobiliário Pichet. Segue-se a visita a Smith Haut Lafitte em Martillac. É uma das mais completas adegas com enoturismo de Bordéus. A história do Château remonta às Cruzadas. No século XVIII, o navegador escocês George Smith instalou-se aqui, e depois dele uma variedade de proprietários, incluindo Louis Eschenauer, uma grande figura no comércio de vinhos de Bordéus. Em 1990, a Smith Haut Lafitte foi comprada pelos seus atuais proprietários Florence e Daniel Cathiard, que a transformaram numa das melhores adegas de Bordéus, com os seus vinhos tintos e brancos estruturados, frescos e elegantes. Check-in no Spa Hotel Les Sources de Caudalie 5*****. Almoço no hotel. Tempo livre para fazer vinoterapia e aproveitar para repousar neste magnífico hotel termal. Jantar e alojamento.
4º Dia –Martillac / Sauternes / Bordéus / Lisboa
Partida de manhã para Sauternes onde se visita o Château D’Yquem. Almoço livre. O Château d`Yquem é frequentemente descrito como o melhor vinho doce do mundo. Depois de séculos na mesma família, o Chateau d’Yquem foi finalmente vendido à Louis Vuitton-Moët-Hennessy em 1999. No entanto, seu ex-proprietário e director Alexandre de Lur-Saluc, continua no comando. Yquem está localizado na colina mais alta em Sauternes e goza das melhores condições da região. A vinha com pouco mais de 100 hectares é plantada com 80% de Sémillon e 20% de Sauvignon Blanc, sendo colhidas apenas uvas totalmente ‘botritizadas’ para a produção deste vinho doce especial. Cada videira tem baixíssimo rendimento, e produz apenas um copo de vinho, daí ser extremamente caro. O Château d’Yquem está classificado como 1er Cru Classé supérieur. Em hora a indicar transfer para o Aeroporto de Bordéus.
16h35 – Partida em voo Tap Air Portugal para Lisboa
17h30 – Chegada ao Aeroporto Humberto Delgado em Lisboa.

FIM DA VIAGEM

programa_bordeus_cognac