Grandes Pintores Flamengos

tryart

Com Pierre Léglise-Costa

A Flandres (onde se fala flamengo maioritariamente) é uma região de uma extrema riqueza artística e certamente fundamental para a História da Arte Europeia do começo do século XV ao fim do século XVII. Recordemos Van Eyck, Hans Memling, Hugo van der Goes, Rogier van der Weyden, Hyeronimus Bosch, Pieter Breughel, Quentin Metsys, Joachim Patinir, Antonio Moro, Peter-Paul Rubens, Anton van Dyck, Jacob Jordaens e muitos outros artistas. A invenção do que se chama “pintura a óleo” deve-se provavelmente aos irmãos Van Eyck que, além disso, e ao mesmo tempo que certos pintores florentinos, lançam na Flandres dos anos 1420-30 a perspetiva em pintura. Evocaremos também nesta viagem outros artistas flamengos modernos.

Preço por Pessoa em Quarto Duplo

1.600 €

Suplemento Individual

340 €

Programa inclui:

  • Acompanhamento por parte de Pierre Léglise-Costa durante toda a viagem;
  • Passagem aérea em classe económica para percurso Lisboa / Bruxelas / Lisboa, em voos regulares Tap Air Portugal com direito a 1 peça de bagagem até 23 kg;
  • 4 noites de alojamento nos hotéis 4**** mencionados ou similares, com pequeno almoço incluido;
  • Refeições de acordo com o programa (5 almoços e 1 jantar);
  • Todos os transportes como indicado no programa;
  • Guia local;
  • Todas as visitas e entradas mencionadas no itinerário;
  • Todos os impostos aplicáveis;
  • Taxas de aeroporto, segurança e combustível no montante de 144,24€ € (à data de 31.08.2018) – a reconfirmar e atualizar na altura da emissão da documentação);
  • Acompanhamento permanente por responsável da TRYART;
  • Seguro Multiviagens.

Programa não inclui:

  • Bebidas às refeições;
  • Gratificações;
  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
  • Despesas de caráter particular designados como extras.

Nota: A presente cotação está sujeita a reconfirmação mediante as disponibilidades de voo e hotéis à data da vossa reserva. Os valores acima apresentados poderão sofrer eventuais alterações em caso de significativas oscilações cambiais e/ou de custos de combustível e/ou eventuais novas taxas, tendo em conta a atual conjuntura internacional.

1º Dia – Lisboa / Bruxelas / Antuérpia
06h25 – Encontro dos participantes no Terminal 1 do Aeroporto de Lisboa.
08h25 – Partida em voo Tap Air Portugal para Bruxelas
12h15 – Chegada ao Aeroporto de Bruxelas.

Transporte privativo para Bruxelas e almoço num restaurante local. Centro da União Europeia, com duas línguas oficiais (flamengo e francês) inclui Bruxelles-Capitale, o Brabant-Wallon e Hal-Vilvorde. A cidade de Bruxelas propriamente dita foi várias vezes destruída e reconstruída e divide-se em várias partes ou bairros (“quartiers”). Uma grande parte da cidade medieval e renascentista desapareceu. Mas certos “quartiers” conservam espaços arquitetónicos histórico-monumentais, como seja o bairro dos Sablons e sobretudo a Grand Place. Também foi um polo importante do período “Arte Nova”. O Museu Real será uma ocasião para rever e completar o percurso de pintura dos Primitivos (ou chamados como tal) ao fim do Barroco. Os Museus de Bruxelas dão também uma visão geral da pintura e artes dos séculos XIX e sobretudo XX (com James Ensor e Magritte, por exemplo). Visita guiada ao Museu de Arte Antiga, em Bruxelas. Partida ao fim da tarde com destino a Antuérpia. Check-in no Hotel Leopold Antwerp 4 **** ou similar. Jantar livre e alojamento.

2º Dia – Antuérpia / Bruges
Pequeno almoço no hotel. Antuérpia é a maior cidade da Flandres. A feitoria real portuguesa muda-se para aqui em 1499, em 1523 Damião de Góis foi nomeado Secretário Geral da Feitoria que acolhia os produtos vindos do Oriente por via portuguesa. Sob dominação espanhola de Felipe II (Primeiro de Portugal) a cidade é a causa da separação com as Províncias Unidas (Países Baixos, protestantes) que fecham o acesso ao rio Escaut em 1585. Durante o século XVI e até à primeira metade do século XVII a cidade desenvolve uma grande atividade artística. Grandes nomes da pintura flamenga têm em Antuérpia seus ateliers, como Breughel, “o velho” do qual poderemos admirar uma obra excecional na casa-museu de um colecionador, Mayer van der Bergh. No século XVII o mais famoso é sem dúvida Rubens. Além de grande pintor, viajando e trabalhando para toda a Europa, foi igualmente um emissário entre várias famílias reais. A casa e o atelier de Rubens dão bem a medida da importância internacional do pintor. O nosso tour inclui de manhã as visitas ao Beguinage, à Casa de Catedral de Antuérpia. Partida para Bruges a seguir à refeição a tempo de se fazer um passeio pedestre pela cidade. Check-in no Hotel The Peelaert 4 **** ou similar. Jantar livre e alojamento.
3º Dia – Bruges / Ghent / Bruges
Após o pequeno almoço, partida rumo a Ghent. O retábulo emblemático do que revoluciona a história da representação em pintura é sem dúvida o “Agneau mystique” da catedral Saint Bavon de Ghent. A cidade de Ghent, aliás possui um dos grandes museus da Flandres no qual se podem admirar um certo número de outras obras da muito notável escola flamenga do século XV ao século XVII. A cidade onde nasceu o imperador Carlos V é também um grande polo arquitetónico. Capital do Condado da Flandres foi durante toda a Idade Média uma cidade muito importante na Europa ocidental e muito próspera. Atualmente é a segunda maior cidade da Flandres. Visita desta cidade, com destaque para a Catedral de Saint Bavon, onde se encontra a obra “Agneau Mystique”. Almoço num restaurante local, em Ghent. Visita ao Museu de Belas Artes de Ghent. Regresso a Bruges ao fim da tarde. Jantar livre e alojamento.
4º Dia - Bruges
Pequeno almoço no hotel. Bruges faz parte do Património Mundial da UNESCO desde o ano 2000. Com uma excecional unidade arquitetónica, Bruges, que foi um porto importante na Idade Média, foi igualmente a sede da primeira feitoria real portuguesa na Flandres, com uma enorme atividade comercial, financeira e artística. A infante D. Isabel, filha de D. João I, esposa do duque Felipe de Borgonha, que era igualmente conde de Flandres, e mãe de Carlos “o Temerário”, tinha uma corte artística particularmente brilhante no âmbito europeu do século XV (vários retratos a representam tanto no museu de Ghent como em Bruges). Os dois principais museus da cidade são o Memling (do nome do célebre pintor da segunda metade século XV) e o Groeninge que possui um acervo fundamental de pintura flamenga do começo do século XV aos nossos dias o que será, em particular, ocasião para admirar a evolução da pintura flamenga no século XVI. De manhã, visita guiada ao Museu Memling. Almoço num restaurante local. De tarde visita guiada ao Museo Groeninge. Jantar de despedida num restaurante local. Alojamento.
5º Dia - Bruges / Bruxelas / Lisboa
Partida para Bruxelas de autocarro. Na capital da Bélgica, visita guiada ao Museu Magritte.
Almoço num restaurante local. Tempo livre para passear na cidade, nomeadamente a Grand Place. Em hora a indicar transporte para o aeroporto de Bruxelas.
19h15 – Partida em voo Tap Air Portugal para Lisboa.
21h00 – Chegada a Lisboa.

FIM DA VIAGEM

programa_pintores_flamengos