Aveiro e Ílhavo

  • Destino:
  • Duração: 3 dias
  • De: 28/08/2020
  • a: 30/08/2020
  • Preço: 620€

programa_aveiro

O encanto da nossa Veneza influenciada pela Arte Nova.

 

Preço por Pessoa Quarto Duplo

€620

Suplemento Quarto Individual

€105

Mínimo 15  participantes

Programa inclui:

  • Transporte privativo em autocarro de turismo, no percurso descrito no programa;
  • Acompanhamento de Guia Intérprete oficial durante toda a viagem;
  • 2 Noites de estadia no Hotel MONTEBELO VISTA ALEGRE 5* ou similar, com pequeno almoço incluído;
  • Pensão Completa num total de 5 refeições ( 3 Almoços + 2 Jantares );
  • Todas as visitas mencionadas no Programa com entradas incluídas;
  • Seguro de viagem – Multiviagens Portugal;
  • Taxas de serviço; hoteleiras e Iva em vigor à data de 29 Maio 2020;
  • Kit de Higiene e Segurança COVID19.

Programa não inclui:

  • Quaisquer serviços que não se encontrem devidamente mencionados no presente itinerário e extras de carácter pessoal (ex. bagageiros, telefonemas, bar, mini-bar, lavandaria, etc.), refeições não mencionadas;
  • Gratificações a guias e motorista.

INFORMAÇÕES | RESERVAS
Pedro Baptista | Telf.: 215 927 076 | pedro.baptista@nulltryvel.pt

1ºDia - Lisboa / Ílhavo
Em local a informar, partida às 09h00 em autocarro privado com destino a Ílhavo. Paragem durante o percurso.

Almoço em restaurante.

De tarde, prosseguiremos em direção a Ílhavo. Intrinsecamente ligado à Ria e inevitavelmente voltado para o Mar, Ílhavo é apontada como sendo descendente de lendários navegadores, possivelmente fenícios, gregos ou então antigos navegadores dos mares do Norte e até Romanos, que entraram pela foz do Vouga e estabeleceram-se nas suas margens, sendo os próprios ilhavenses, já muito cruzados com várias raças, igualmente invocados como os míticos fundadores de numerosas povoações marítimas. A primeira referência escrita à “villa iliauo”, que consta do cartulário do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, designado por Livro Preto da Sé de Coimbra, remonta ao século XI, mais concretamente entre 1037 e 1065, sendo a sua doação mencionada aquando da tomada definitiva de Coimbra, em plena Reconquista Cristã. No séc. XVI, Ilhavo começou a viver a epopeia do bacalhau nos gélidos mares do Norte, que tanto o havia de celebrizar. A localização privilegiada e a vocação marítima, propiciou o aparecimento de zonas portuárias, particularmente de pesca longínqua, com todas as atividades de construção e reparação naval, bem como indústrias de secagem e de frio, que foram um fator marcante no desenvolvimento económico e social, a par do Comércio, da Agricultura e do crescimento das suas infraestruturas. Ilhavo, uma cidade à beira-mar que ostenta o pujante património marítimo de Aveiro e onde está sediado o Museu Marítimo de Ílhavo (visita) que alberga uma vasta coleção de objetos relacionados com a pesca à linha do bacalhau e com as fainas agro-marítimas da Ria de Aveiro, com destaque para as diversas artes de pesca da lagoa. O Museu possui ainda uma vastíssima coleção de arte e também a maior coleção de conchas do país, bem como uma coleção de algas marinhas.

Continuação em direção à Costa Nova, situada no litoral norte de Portugal. Costa Nova é uma pequena vila piscatória com longa tradição. Fundada no início do século XIX. O termo “Costa Nova” começou a ser utilizado com a abertura da barra da Ria de Aveiro em 1808, para a diferenciar da “costa velha”, a da praia de São Jacinto, até então utilizada pelos pescadores.

Ao longo dos anos os pescadores de Ílhavo foram-se fixando na Costa Nova, uma vez que esta nova zona de costa possibilitava um acesso ao mar menos perigoso que o de São Jacinto. Começaram então a construção dos palheiros, armazéns e abrigos dos homens do mar e dos barcos da faina da Ria. Os palheiros originais eram construídos com materiais locais, erguendo-se sobre estacas assentes no areal seco da Costa Nova, com o tabuado exterior disposto na horizontal e pintado de vermelho vivo, saudando o mar com cor e energia. O espaço interior era amplo, sem qualquer divisão, cumprindo a sua função de ser nada mais que um armazém desafogado. Com o passar dos anos, alguns pescadores começaram a transformar os palheiros adaptando-os a espaços de alojamento que passaram a acolher famílias na época de veraneio.

Ao final da tarde, alojamento no Hotel MONTEBELO VISTA ALEGRE 5* ou similar.

Check-in e distribuição dos quartos.

Jantar e alojamento no hotel.

2ºDia - Ílhavo / Aveiro / Ílhavo

Saída do Hotel em direção da cidade de Aveiro, ligada ao mar não só pela sua proximidade, mas também devido à sua Ria que se estende com os seus canais por várias ruas da cidade.
Daremos início à visita, onde destacamos a sua Sé / Catedral. A origem da Sé de Aveiro remonta ao séc. XV. Era, à altura, a igreja do Convento de S. Domingos. A igreja primitiva era constituída por capela-mor, sem coro alto, e composta por três naves. Entre os sécs. XVI e XVII, houve obras de conservação e converteram-se as naves laterais em capelas devocionais, mesmo para se conseguir dar uma maior estabilidade ao conjunto.

De seguida, visita do Museu de Aveiro; este ocupa as dependências do Convento de Jesus, edificado no séc. XV, onde se recolheu, em 1472, a infanta D. Joana, filha do rei Afonso V e onde viria a morrer em 1490. A presença desta real personagem, beatificada em 1673, beneficiou o convento com o legado dos seus avultados bens. Nos sécs. XVII e XVIII acolheu uma escola de bordadeiras a quem se deve muitas das sumptuosas peças guardadas no Museu. A fachada atual data do séc. XVIII e nela se inscrevem três portais com bonitos frontões, vendo-se o brasão real no do meio. O edifício conserva alguns espaços que serviam à vivência conventual: o átrio, onde funcionava a portaria, o claustro do séc. XV, que conserva uma colunata renascentista, algumas capelas manuelinas decoradas com azulejos e a casa do capítulo. No interior da igreja merece especial atenção a capela-mor pelo notável trabalho de talha dourada, de finais do séc. XVI, a lembrar uma obra de ourivesaria. Nas paredes forradas com painéis de azulejos vêem-se seis telas representando momentos da vida de Santa Joana Princesa. No coro baixo da igreja, onde as religiosas assistiam aos ofícios litúrgicos, encontra-se o túmulo de Santa Joana, peça de exímia execução com finíssimos embutidos de mármores italianos de diversas cores. Trabalharam nele artistas portugueses, devendo-se o seu desenho a Manuel Antunes, arquiteto régio. Iniciada a obra em 1699, por mando de D. Pedro II, só em 1711 nele seriam colocadas as cinzas da Infanta, a quem Aveiro dedica uma festa religiosa a 12 de Maio, efeméride da sua morte, que inclui uma peregrinação a este local. O Museu foi fundado em 1911 para abrigar peças de arte recolhidas em casas e comunidades religiosas da região e de vários pontos do país. Possui notáveis coleções de pintura, escultura, talha, azulejaria, ourivesaria, mobiliário e paramentaria. eu de Aveiro um ponto de paragem obrigatória.

Ainda antes do almoço, prosseguiremos para visita do Museu de Arte Nova. Mais do que repor o ambiente ornamental de uma habitação Arte Nova, este núcleo museológico pretende levar o visitante a refletir sobre os pressupostos da revolução estética que a Arte Nova proporcionou, encontrando aí uma oportunidade para melhor compreender os reflexos deste movimento que ainda se aplicam na atualidade.
Almoço em restaurante.

Durante a tarde prosseguiremos a visita a um dos pontos principais da história da cidade – as Salinas com visita do Ecomuseu da Troncalhada que nos mostra os métodos de produção artesanal do sal e local onde apreciaremos a beleza das salinas, as aves que junto a elas habitam, toda a sua flora, características, o trabalho dos marnotos, a apanha da salicórnia etc.

Ainda no decorrer da tarde, iremos disfrutar de um passeio de barco moliceiro na Ria de Aveiro, permitindo-nos conhecer a cidade a partir dos 4 canais urbanos de Aveiro. Não há nada como apreciar esta bela cidade sentado a bordo de um barco que é um pedaço de história de Aveiro…
No final e antes de regressar ao hotel, aproveitaremos para nos deliciar com o paladar irresistível da doçaria Regional de Aveiro com uma degustação de ovos-moles.

Jantar e alojamento no Hotel MONTEBELO VISTA ALEGRE 5* ou similar.

3ºDia - Ílhavo / Mealhada / Buçaco / Lisboa

Pequeno-almoço e parte da manhã livre para visita no recinto do Hotel do Museu da Vista Alegre, onde é exposto o registo da evolução no fabrico da porcelana portuguesa assim como a sua loja. Inaugurado no ano de 1964, tem patente ao público uma vasta gama de magníficos exemplares da porcelana decorativa e doméstica.

Em hora a determinar, e já de regresso em direção de Lisboa, almoço em Restaurante de especialidade de leitão.
Continuação para visita da Mata do Buçaco. Esta constitui um património de valor incalculável, único em Portugal e no Mundo. Trata-se de uma herança secular, incomparável, por reunir relevância histórica, religiosa, militar, natural, paisagística, arquitetónica, cultural e mesmo de identidade nacional. Visita incluída do seu Convento e Jardins.

Fim da visita, regresso a Lisboa.

Paragens técnicas durante o percurso.

FIM da VIAGEM

programa_aveiro