Os Castelos Cátaros no Sudoeste da França

  • Destino: ,
  • Duração: 7 dias
  • De: 09/04/2022
  • a: 15/04/2022
  • Preço: 3,125€

tryart tap

Com Pierre Léglise-Costa, historiador de arte, linguista, professor, curador, crítico e tradutor

Rejeitando o Antigo Testamento, a autoridade do Papa e da Igreja Católica, o catarismo, religião dissidente, agitou o sudoeste de França até meados do século XIII. Cercos e guerras de nervos na região de Toulouse-Pirenéus.

Carcassonne é de passagem obrigatória, assim como os seus cinco filhos : Aguilar, Peyrepertuse, Puilaurens, Quéribus e Termes. Carcassonne podia contar com os cinco filhos para garantir a sua proteção. Em 1208, o Papa iniciou uma cruzada para acabar com os hereges, que se tinham instalado no Languedoc. Os senhores feudais do Midi assumiram a posição de batalha, exceto Trencavel, visconde de Béziers, Carcassonne e Albi, feudo dos cátaros, que ofereceu resistência. Após a tomada de Béziers e o massacre da população, o principal inimigo dos cruzados refugiou-se em Carcassonne. Foi então que começou o cerco… No país cátaro, Carcassonne e as suas muralhas constituem uma etapa imprescindível.

Os cruzados do norte vieram ajudar os seus compatriotas meridionais … Foram realizadas inúmeras exações durante as cruzadas. Despojados pelos seus próprios companheiros de armas, alguns senhores feudais desiludidos preferiram mudar de campo e juntar-se aos cátaros.

A epopeia cátara foi sangrenta até ao fim. O cerco de Montségur, a 16 de março de 1244, terminou na fogueira, para onde centenas de cátaros se atiraram, pois recusaram-se a renunciar à sua fé.

Preço por Pessoa Quarto Duplo

(mínimo de 20 participantes)

3.125 €

Suplemento Quarto Individual

515 €

 

Programa inclui:

  • Acompanhamento por um representante Tryvel durante toda a viagem e pelo Professor e Historiador Pierre Léglise Costa;
  • Passagem aérea em classe económica para o percurso Lisboa / Toulouse / Lisboa na companhia aérea Tap, com direito ao transporte de 23 kgs de bagagem;
  • 06 noites / 07 dias em Hoteis de 4* e 5*, em regime de alojamento e pequeno almoço;
  • 12 refeições (6 almoços + 6 jantares), incluindo água, café ou chá;
  • Circuito em autocarro de turismo privado, equipado com ar condicionado;
  • Taxi para subida ao Castelo de Peypertuse;
  • Visitas guiadas com guias locais de expressão portuguesa nas seguintes cidades : Toulouse, Foix, Carcassonne, Narbonne, Béziers, Albi;
  • Entradas nos seguintes monumentos : Basilica de St. Sernin,; Convento dos Jacobinos; Castelo de Montsegur; Castelo de Puivert; Castelo de Peypertuse; Castelo de Puilarens; Castelo de Rennes le Château e Igreja de Maria Madalena; Castelo de Arques, Villerouge Termenes; Termes; Castelo de Queribus; Castelo de Aguilar; Museu Arqueológico de Narbonne; Palácio dos Arcebispos em Narbonne; Catedral de St. Cecilia em Albi;
  • City Tax;
  • Bagageiros nos hotéis;
  • Seguro de assistência em viagem e cobertura extra Safe Covid-19;
  • Águas no autocarro;
  • Gratificações a guias e motorista;
  • Taxas hoteleiras, de serviço e Iva;
  • Kit de viagem Covid-19;
  • Audio-guias;

 

Programa não inclui:

  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
  • Bebidas às refeições (excetuando água, café ou chá);
  • Despesas de carácter particular designados como extras.

 

INFORMAÇÕES | RESERVAS
GC – Tlm. 938458843 | info@nulltryvel.pt

1º Dia - Lisboa / Toulouse

Comparência no aeroporto de lIsboa 120 minutos antes da partida.

Assistência nas formalidades de embarque.

09h30 – Partida em voo regular Tap com destino a Toulouse.

12h20 – Chegada ao aeroporto de Toulouse. Assistência e transporte para restaurante para almoçar.

De tarde, visita da cidade dos Condes de Toulouse, a sua resistência contra Simão de Monfort legado do Rei de França. Visita da Basilica de S. Sernin uma das mais belas igrejas do Midi e das mais ricas em reliquias. Visita do Convento dos Jacobinos o primeiro convento dominicano e onde se istala a inquisição para debelar a heresia. Continuação para o Hotel Crowne Plaza Toulouse Centre 4*.

Jantar e alojamento.

2º Dia - Toulouse / Foix / Montesegur / Puivert / Carcassonne

Após o pequeno almoço no hotel, partiremos na Rota dos Castelos Cátaros com destino a Foix, junto dos Pirinéus, outro dos imponentes castelos albigenses, senhor de imensas memórias e que não foi destruído.

Continuação para Montsegur cujo castelo é uma fortaleza santuário situada num pico de 1200 metros de altitude. Montsegur é um verdadeiro mito, possui uma energia sobrenatral e a história do último refúgio de 220 Perfeitos Cátaros queimados pela perseguição inquisitorial. Neste lugar qualificado de templo solar ou Castelo de graal ainda se acredita que nele existe um tesouro de valor incalculável.

Daqui partimos para Piuvert empoleirado no topo de uma colina suave, este antigo local dos Cátaros, invadido pelos cruzados em 1210, domina majestosamente a aldeia de Puivert e o seu lago.

O portão quadrado da torre, as paredes de cortina, o pátio principal e a masmorra de 35 metros de altura, que abriga quatro esplêndidos salões, incluindo os músicos com o cul-de-lampe esculpido de personagens tocando diferentes instrumentos, são tanto Elementos medievais para admirar durante a visita do castelo de Puivert datada dos séculos XIII e XIV.

Almoço em restaurante.

Daqui partimos para Carcassonne principal cidade da região dos Cátaros e que possui uma das mais belas e completas cidadelas fortificadas, reconstruída no séx. XIX pelo arquiteto Viollet le Duc como exemplo maior de uma cidade medieval. Visita dos eu castelo, onde no interior se encontra o Palácio dos Condes e a Basilica de St. Nazaire. Chegada ao Hotel de la Cité Carcassonne MGallery 5*.

Check in, jantar e alojamento.

3º Dia - Carcassonne / Peyrepertuse / Puilaurens / Rennes le Chateau / Carcassonne

Após o pequeno almoço, saída para visita de um dos mais emblemáticos e pouco acessíveis castelos Cátaros, Peyrepertuse. O seu castelo em posição dominante no alto de uma crista calcária que separa Duilahc da vila de Rouffiac-des-Corbières, tinha como função a de vigiar os vales circundantes, controlar os desfiladeiros na montanha e comunicar por sinais com o Castelo de Queribus um pouco mais a sul (subida ao castelo de táxi).

Após a visita, seguimos para Puilaurens a uma altitude de 697 metros. O castelo cátaro de Puilaurens, empoleirado num afloramento rochoso na entrada das Fenouillèdes, domina orgulhosamente o verdejante vale de Boulzane.

Testemunhando a arquitetura militar da Idade Média, o castelo de Puilaurens, que já foi parte dos “cinco filhos da cidade de Carcassonne” : cinco fortes estrategicamente erguidos para defender a nova (1659) fronteira francesa contra a Espanha (Aguilar, Peyrepertuse, Puilaurens, Quéribus e Termes) e desempenhou um papel importante na defesa da antiga fronteira franco-aragonesa. Continuação para Rennes le Chateau.

Almoço em restaurante.

De tarde, visita desta pequena aldeia conhecida internacionalmente e que recebe milhares de visitantes por ano, por estar no centro de várias teorias da conspiração quanto à existência de um tesouro templário. O Castelo e a Igreja de Maria Madalena, estão envoltos em numerosos mistérios que envolvem a tradição gnóstica e os cátaros. Entre os elementos emblemáticos desses misteriosos enigmas, vamos encontrar na igreja consagrada a Maria Madalena, a figura impressionante do guardião de um tesouro, então descoberto, de pergaminhos codificados numa espécie de escrita.

Segundo as lendas, teria sido descoberto pelo padre local Bérenger Saunière no séc. XIX. Durante a reforma da igreja, foram encontradas pistas que levariam um tesouro enterrado na região. A natureza precisa desse tesouro, ou mesmo a sua existência, é algo contestável. Após a morte do padre em 1917, a sua empregada, Marie Denarnaud, herdou a sua fortuna, incluindo a sua moradia (Villa Bethania), vendida a Noel Corbu em troca de uma pensão anual vitalícia. Foi também uma importante povoação na época cátara. Regresso a Carcassonne.

Jantar e alojamento no Hotel.

4º Dia - Carcassonne / Arques / Villerouge Termenes / Termes / Perpignan

Após o pequeno almoço no hotel, partida para Arques. O castelo de Arques fica em cima de uma pequena colina isolado, não muito longe da aldeia. Cercado por muitas florestas foi mencionado pela primeira vez em 1011. Em 1217 os cruzados, liderados por Simon de Montfort, queimaram tanto o castelo como a aldeia. Em 1231 o castelo e as terras de Arques, foram doados por Simon de Montfort para seu tenente Pierre de Voisins. No final do século XIII, Gilles, filho de Pierre de Voisins, fez uma reconstrução da aldeia e iniciou a construção do Castelo (concluído em 1316). No século XVI Arques passa à família de Joyeuse, que o usou como um lugar de residência. O castelo é muito bem preservado: a praça externa abre uma porta com um arco ogival, com o brasão de armas da família-Voisins. O lado sudoeste abriga uma torre de canto, que serviu de residência, enquanto o lado sudeste da torre foi usada como uma capela.

A torre é composta por quatro níveis: os dois primeiros são tetos abobadados, o terceiro tem um piso de madeira, e o quarto o principal era de nível defensivo.

Todo o edifício é um dos melhores exemplos da arquitetura gótica: tetos abobadados que descansam em mísulas esculpidos, lareiras e belas janelas trevo mostrar o sabor e a riqueza dos proprietários.

Continuação para Villerouge Termenes, Castelo do século XIII e um belo exemplo da arquitetura militar medieval. Propriedade dos arcebispos de Narbonne até à Revolução Francesa, foi totalmente restaurado pela cidade nos anos 90. Passeio pelas ruas sinuosas dos tempos medievais, transportando-se a mais de seis séculos atrás, desses tempos difíceis. Visita da igreja de Saint-Etienne, com o seu retábulo do século XVI restaurado com toda a beleza.

Almoço em restaurante.

Após o almoço, saída para Termes, castelo cátaro localizado numa rocha no meio de ravinas, e considerado uma das joias arquitetónicas de Corbières. O local classificado como Monumento Histórico foi construído a uma altitude de 460 metros, no século X. Assediado por Simon de Montfort no início do século XIII e, em seguida, brevemente tomado pelos seus proprietários originais, o castelo de Termes é posteriormente cedido ao Rei de França em 1228. Reforçado na segunda metade do século XIII, foi então dotado de dupla muralha para se tornar um dos mais importantes baluartes da linha de defesa do Rei da França contra o reino da França. Quatro séculos depois, em 1653, o rei Luís XIV mandou-o demolir completamente. Hoje acessíveis ao público, as ruínas ainda desvendam todos os seus mistérios graças à presença de uma casa senhorial, uma torre principal ou um pátio com recinto. Continuação da viagem para Perpignan e chegada ao Hotel Villa Duflot 4*.

Jantar e alojamento no hotel.

5º Dia - Perpignan / Queribus / Aguilar / Narbonne / Beziers

Após o pequeno almoço, saída do hotel em direção ao Castelo de Queribus. No coração da Corbières, perto da aldeia de Cucugnan que ficou famoso pelo livro “Lettres de mon Moulin” de Alphonse Daudet, fica no topo de um pico rochoso. Uma fortaleza medieval empoleirada a 728 metros altitude, reconhecível por sua imponente torre cercada por três recintos sucessivos… abrigo de cátaros religiosos durante a cruzada albigense contra a cidadela de Quéribus e foi o último bastião da resistência dos cátaros a cair para os cruzados em 1255. Acessíveis dez minutos por um caminho íngreme, o local de Quéribus oferece, a partir do terraço de seu sustento poligonal, vistas deslumbrantes sobre as Corbières, a planície Roussillon, no Mediterrâneo e os Pirinéus!

Almoço na vila de Touchan.

Após o almoço, continuação para o Castelo de Aguilar erguido num pico rochoso, permitiu monitorizar o acesso aos Corbières e a passagem entre Narbonnais e Roussillon. Um primeiro recinto, o mais alto, na forma de um polígono, data do século XII  assim como a capela.  O tratado dos Pirinéus de 1659 que empurra as fronteiras com a Espanha faz perder para o castelo de Aguilar todo o seu interesse estratégico e é gradualmente abandonado. Seus restos são classificados em 1949 e campanhas de restauração começam então a devolver as suas cartas de nobreza ao edifício que agora domina a vinha de Fitou. Belo conjunto de ruínas de personagens com um olhar romântico numa paisagem preservada, o local recuperou tanto prestígio que, com outras fortalezas da região, poder-se-ia juntar à lista de sítios rotulados pela UNESCO.

Continuação para Narbonne, cidade com 2500 anos de história e que foi chamada a primeira filha de Roma. Possui os mais belos frescos romanos fora de Itália e que se encontram no Museu Arqueológico de Narbonne. Visita da cidade com especial destaque para a Catedral de St. Just e o Palácio dos Arcebispos joia do gótico flamejante. Continuação para Beziers.

Chegada ao Hotel Mercure Béziers 4*.

Check in, jantar e alojamento.

6º Dia - Beziers / Alb / Toulouse

Após o pequeno almoço visita de Beziers, cidade de múltiplas ocupações de povos aoo longo da história. A Igreja de Santa Madalena foi palco de um dos maiores massacres contra os cátaros onde pereceu também metade da população de Béziers, muitos deles, católicos.

A Catedral de St. Nazaire é um excelente exemplar da arquitetura gótica construída sobre as ruinas da igreja românica destruída durante o saque de Béziers. Neste mesmo local, existiu um antigo templo romano dedicado a Augusto.

Após a visita, continuação para Albi.

Chegada e almoço em restaurante.

De tarde, visita da cidade de Albi, cidade onde se reuniram pela primeira vez os heráticos vindos de outras zonas do leste europeu e se desenrolaram vários episódios de resistência, daí serem os cátaros também denominados Albigenses. Visita da Catedral de Santa Cecilia um dos mais imponentes exemplos do poder de Roma na região, após a tomada da cidade. Continuação para Toulouse.

Chegada ao Hotel Crowne Plaza Toulouse Centre 4*.

Check in, jantar e alojamento.

7º Dia - Toulouse / Lisboa

Pequeno almoço no hotel e transfer para o aeroporto. Assistência nas formalidades de embarque.

13h05 – Partida em voo regular Tap com destino a Lisboa.

14h00 – Chegada a Lisboa, ao Aeroporto Humberto Delgado.

Fim da Viagem