Os Templários a Ordem de Cristo

  • Destino: ,
  • Duração: 2 dias
  • De: 11/09/2021
  • a: 12/09/2021
  • Preço: 360€

tryart

A sua influência na Região Centro

Tomar é uma cidade repleta de encantos, um núcleo cultural invejável. A panóplia de pontos de interesse históricos, religiosos, patrimoniais, culturais e paisagísticos da cidade, são fortes argumentos que justificam uma visita a Tomar com o seu magnífico Convento de Cristo! Descer à cidade, passear pela antiga judiaria até à monumental Praça da República. Escutar os sinos da altiva Igreja de São João Batista. Deixar-se abraçar pelos encantos do Rio Nabão. Relaxar no verde do Parque do Mouchão. Cruzar a Ponte Velha e apreciar as vistas duma cidade espelhada no rio e coroada pelo seu Castelo.  Sem falar nos arredores que lhe somam mais uns quantos argumentos naturais de peso. Venha conhecer o segredo dos Templários em Tomar e para melhor perceber a sua história, é importante saber como a Ordem dos Cavaleiros do Templo se transformou em Ordem de Cristo, salvaguardando o poder, o conhecimento e a riqueza que tinham em Portugal. O célebre Infante D. Henrique, mentor da epopeia dos Descobrimentos, foi um dos seus governadores e protetores mais importantes.

Preço por Pessoa em Quarto Duplo

(mínimo 15 participantes)

€360

Suplemento Individual

€40

 

Programa inclui:

  • Acompanhamento Tryvel durante toda a viagem por um guia-intérprete oficial de turismo e especialista;
  • Circuito em autocarro de turismo de 51 lugares;
  • 01 noite nos Hotel dos Templários 4**** mencionado no programa;
  • Todas as entradas e visitas conforme programa (Castelo e Convento de Cristo, Igreja de S. João Baptista, Igreja de Santa Maria do Olival, Sinagoga e Museu Hebraico Abraão Zacuto);
  • 03 Refeições (2 almoços em restaurantes + 1 jantar no hotel);
  • Bebidas às refeições durante os almoços em restaurantes e no jantar no hotel;
  • Seguro de assistência em viagem;
  • Taxas hoteleiras, de serviço e Iva;
  • Kit de viagem Covid-19 (incluindo 1 par de luvas descartáveis + 2 máscaras cirúrgicas descartáveis + 1 frasco de 100ml de gel alcoólico);
  • Audio-guias.

 

Programa não inclui:

  • Tudo o que não esteja como incluído de forma expressa;
  • Bebidas fora das refeições;
  • Despesas de carácter particular designados como extras;

 

INFORMAÇÕES | RESERVAS
CS – Tlm. 91094989 | GC – Tlm. 938458843 | info@nulltryvel.pt

1º Dia – Lisboa / Tomar

De manhã, partida em autocarro de turismo com destino a Tomar.

Na Reconquista Cristã, as terras de feudo de Tomar foram doadas por D. Afonso Henriques à Ordem dos Templários. Em 1160, o Grão-Mestre Templário Gualdim Pais funda a cidade de Tomar e inicia a construção do Castelo de Tomar e do Convento de Cristo, que se tornariam o Quartel-General da ordem religiosa militar, defensora desta terra de fronteira durante mais de cem anos.

Tomar guarda alguns dos maiores segredos da Ordem dos Templários. A ordem militar existiu durante cerca de dois séculos, até que foi extinta por ordem papal. Acontece que, em Portugal, a Ordem do Templo não foi bem extinta. Foi (engenhosamente) transformada na Ordem de Cristo. Esta foi a maneira que D. Dinis encontrou de salvaguardar o poder, o conhecimento e a riqueza que a ordem religiosa detinha em Portugal sem desobedecer ao papa.

Após chegada, visita do Convento dos Cavaleiros de Cristo o monumento mais emblemático e Património Mundial da Humanidade UNESCO desde 1983, tesouro único que espelha sete séculos da história, não só de Portugal mas de todo o Ocidente. A arquitetura cruza elementos dos estilos Românico, Gótico, Manuelino, Renascentista, Maneirista e Barroco, e a ornamentação é verdadeiramente espantosa.

O Castelo de Tomar integra o grande conjunto arquitetónico e monumental do Convento de Cristo. Portanto, ao chegar ao alto da colina, as primeiras portas que transpomos são as das muralhas do Castelo de Tomar. Assim que a Ordem dos Templários tomou posse destas terras entre o Mondego e o Tejo, a construção do castelo com três linhas defensivas de muralhas foi prioritária.

Após a visita do castelo e do Convento de Cristo descemos até à cidade e no trajeto passamos pela Ermida de Nossa Senhora da Conceição do séc. XVI e considerada um dos mais puros exemplares do estilo Renascença em Portugal.

Chegada ao centro da cidade e almoço no restaurante medieval Taverna Antiqua.

De tarde e já na Praça da República, o coração de Tomar ergue-se no centro a estátua de Gualdim Paes, a homenagem da cidade ao seu fundador. Sobressaem a Igreja de São João Batista, a matriz, e o antigo edifício dos Paços do Concelho onde ainda hoje funciona a Câmara Municipal de Tomar.

Aqui, encontramos a antiga judiaria de Tomar. Tem destaque a Sinagoga, que se crê ser a mais antiga de Portugal, e o Museu Hebraico Abraão Zacuto. Já restam poucos, mas há claros vestígios da importância da comunidade judaica na cidade.

A Corredoura, atual Rua Serpa Pinto é a rua pedonal de Tomar que tem as lojas de comércio, alojamentos, cafés e restaurantes. De cada lado do tapete de calçada portuguesa, estão algumas das casas mais lendárias da cidade, como a Residencial União o “hotel” do século passado (leia-se, XIX), o centenário Café Paraíso (do outrora seleto Club Thomarense) ou a confeitaria Estrelas de Tomar que tem os doces típicos da cidade (Fatias de Tomar, Queijinhos de Tomar, Beija-me Depressa), ou a Pharmácia Pinheiro cuja longevidade já ultrapassou os 140 anos !

Passagem pelo Parque do Mouchão com o rio Nabão e a Roda do Mouchão que mais do que um engenho mecânico movido pelas águas correntes do rio Nabão, é um emblema da cidade. O Rio é atravessado pela Ponte Velha. Ao lado da ponte Velha, ergue-se o Convento de Santa Iria, lamentavelmente em avançado estado de degradação e ruína. O conjunto do convento e igreja data do século XIV com posteriores adições. dEstaca-se a Igreja de Santa Iria, o Arco das Freiras, lançado sobre a Rua de Santa Iria, e a Casa do Pego, construída onde o Nabão é mais fundo e onde, diz a lenda, Santa Iria foi assassinada.

Do tempo dos Templários (século XII / XIII) é também o Açude dos Frades que desviava a água do Nabão pela Levada para fornecer energia aos moinhos e lagares nas margens do rio, como o do Alcaide-Mor e o do Secretário, ao lado da Ponte Velha.

Continuamos a nossa visita a Tomar com a Igreja de Santa Maria do Olival que foi a sede da Ordem dos Templários e posteriormente da Ordem de Cristo. No século XII, Gualdim Pais mandou erguer a igreja, aproveitando um antigo mosteiro beneditino, e nela sediou a Ordem dos Templários. O edifício românico foi ampliado no século seguinte salientando-se como um exemplar de arte gótica em Portugal e modelo de muitas igrejas da época no país. A igreja é o Panteão dos Mestres da Ordem, onde inclusivamente se encontra o túmulo do próprio D. Gualdim Pais.

Após a visita, seguimos para o Hotel dos Templários. 4****. Check in e distribuição dos quartos.

Jantar e alojamento no Hotel.

2º Dia – Tomar / Aldeia Templária de Dornes / Albufeira de Castelo de Bode / Castelo Templário de Almourol / Vila Nova da Barquinha / Lisboa

Após o pequeno almoço, saída do Hotel para visita da Sinagoga (fechada à segunda feira) e passagem pelo Aqueduto dos Pegões Altos, a pouco mais de dois quilómetros do Convento de Cristo. Este aqueduto filipino, com cerca de seis quilómetros de comprimento, era o principal meio de abastecimento de água do Convento de Cristo.

Continuação para visita à Aldeia Templária de Dornes  terra de mistérios, da matéria que as lendas são feitas. Vencedora das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, Dornes é também conhecida como a Península Encantada ou Terra Mítica dos Templários. A pequena povoação fica mesmo no topo duma península contornada pela albufeira do Rio Zêzere e tem plantada bem no topo a afamada Torre Templária de Dornes, a torre defensiva pentagonal de que não se conhece mais exemplos em Portugal.

Acompanhando a Albufeira de Castelo de Bode chegamos ao intrigante Castelo Templário de Almourol numa pequena ilha no rio Tejo. Trata-se de um castelo que era mouro, mas Dom Afonso Henriques conquistou-o e entregou-o aos Templários. As suas pedras já viram nascer inúmeras lendas, e diz-se até que há uma passagem secreta que passa por baixo do Tejo.  Continuação para Vila Nova da Barquinha onde iremos almoçar no Restaurante Almourol, junto do rio Tejo. Após o almoço, viagem de regresso a Lisboa com paragem técnica durante o percurso.

Chegada a Lisboa pelo final da tarde.

programa